terça-feira, 1 de setembro de 2009

O Cadáver de Bluegate Fields

Título: O Cadáver de Bluegate Fields
Autor: Anne Perry
Tradução: Joana Chaves
Edição: Gótica
Nº de páginas: 341

"O Inspector Pitt move-se, mais uma vez, num mundo conservador, às portas da mudança, onde os "cavalheiros" da alta sociedade vitoriana estão acima de qualquer suspeita.
Um corpo é encontrado nos esgotos de Bluegate Fields, uma zona obscura da cidade de Londres. As primeiras investigações revelam tratar-se de um jovem aristocrata. O local e as circunstâncias não parecem fazer sentido. O Inspector Pitt, chamado a actuar, depara-se desde logo com o silêncio e a relutância da família. Subitamente, surge uma solução e é apontado um culpado. Um culpado demasiado óbvio e conveniente. São encontradas testemunhas, apresentadas provas e o culpado é acusado e condenado à forca. O caso é dado por encerrado. Mas Pitt não está totalmente convencido. Muito menos a intrépida Charlotte, que se empenha na procura da verdade e na luta por uma causa nobre e arriscada. E quando tudo parece irremediavelmente perdido, as paredes daquele mundo fechado de mentiras começam a ruir e a verdade é revelada."
Com o Cadáver de Bluegate Fields, Anne Perry consegue definitivamente transportar-nos para a Londres vitoriana, levar-nos pelas suas ruas, introduzir-nos não apenas na alta sociedade da época mas também nos meios mais simples e até no mundo do crime; tudo isto acontece através de uma escrita bastante simples, de diálogos que me pareceram adequados à época e de uma história que pouco tem de enfadonha. Digo pouco porque, em meu entender, há alguns momentos da narrativa nos quais a autora não consegue manter o ritmo, havendo pequenas quebras que muitas vezes parecem fáceis de evitar. Ainda assim, tal é amplamente compensado pelo conhecimento que Anne revela da época vitoriana e pela força de alguns dos personagens.
Confesso que o inspector Pitt, personagem principal da trama, não foi muito do meu agrado. É uma personagem bastante real, cheia de dúvidas e com alguma força mas não me parece que seja aquilo que esperávamos de um detective deste calibre. Já a sua mulher, Charlotte, encheu-me muito mais as medidas, revelando-se uma mulher forte e segura, que casou por vontade própria abaixo da sua condição social mas que não se verga, lutando por aquilo em que acredita.
A trama está bem construída, com vários desvios e introdução de elementos que levam o leitor a seguir diferentes linhas de raciocínio e evitando que este descubra o criminoso quase até à última página embora aquando da revelação final fiquemos com aquela sensação de que a solução sempre esteve ali à nossa frente... A tradução pareceu-me bastante boa ainda que tenha encontrado uma ou outra forma verbal menos correcta e alguns erros de impressão (estes últimos não por conta do tradutor, claro).
Recomendo a quem quiser uma leitura fácil e gostar de policiais e/ou romances de época.
6,5/10

4 comentários:

Draco disse...

Gosto bastante dos policiais desta escritora.
Já li vários da Série do Inspector Monk e são muito bons, tanto na parte policial como na descrição dos ambientes e hábitos da época victoriana.

Aconselho:
O Rosto de um Estranho
Um Luto Perigoso
Defesa e Traição
(por esta ordem)

Homem do Leme disse...

Olá,
este livro está na minha lista de livros a comprar já há algum tempo. Mas por agora tenho mesmo de abrandar as compras, pois as prateleiras de livros a ler estão a assumir proporções desastrosas. No entanto continuo com vontade o ler :)

Alice disse...

Obrigado Draco, vou tentar ler e pela ordem que indicaste.
De facto este foi o primeiro livro que li desta autora e gostei bastante, embora reconheça que talvez tivesse sido melhor começar por outro título (um dos primeiros...).
Homem do Leme, já leste algo desta autora? Sugeres algum título?

zebra3 disse...

Passa no meu blog, tenho lá um mimo ;) Boas leituras!