segunda-feira, 8 de junho de 2009

O Fado da Sombra

Título: O Fado da Sombra
Autor: Filipe Faria
Editora: Ed. Presença
Nº de páginas: 530
"Os deuses estão mortos, e a sua queda deixa Allaryia à beira de uma espiral de desordem e destruição. As sementes dos planos d´O Flagelo germinam em segredo, e Aewyre Thoryn e os seus companheiros são os únicos que estão cientes da insidiosa ameaça, bem como os únicos em condições de a combater. Dá-se então início a uma desesperada corrida contra o tempo, enquanto servos renegados de Seltor conspiram para levarem a cabo a queda de Ul-Thoryn. Uma ameaça de tempos imemoriais acerca-se entretanto da Pérola do Sul, ameaçando cortar pela raiz a resistência contra O Flagelo. Este é ponto de viragem da Oitava Era, após o qual nada será como dantes em Allaryia."
Quando visitei a Feira do Livro de Lisboa e vi à venda o mais recente título das Crónicas de Allaryia não consegui resistir, tinha que aproveitar a oportunidade... Para os que não conhecem as Crónicas de Allaryia são constituídas, até ao momento, por seis volumes da autoria do jovem Filipe Faria. Relatam-nos as aventuras de Aewyre Thoryn que percorre Allaryia numa tentativa de conhecer o destino final do seu pai e que, embora não o querendo, se vê envolvido numa luta sem idade contra as forças obscuras d'O Flagelo e numa não menos antiga luta pela Essência da Lâmina. Quando comecei a ler estas Crónicas, já lá vão uns aninhos (poucos) fiquei agradavelmente surpreendida pela escrita simples do autor, pelo humor que incute em alguns personagens e sobretudo pelo universo criado por este jovem - Allaryia é um território formado por vários países e zonas às quais não podemos dar uma designação certa no qual encontramos seres de inúmeras raças criadas pelo autor, todas elas com características físicas e comportamentais distintas e com línguas próprias. Enfim, um jovem português criou, um pouco à semelhança de Tolkien, todo um universo, línguas e raças, fronteiras, disputas e uma demanda. Fiquei presa a Allaryia...
Contudo, após a leitura das primeiras páginas logo percebi que a leitura deste volume não ia ser tão prazerosa como a dos volumes anteriores, ainda assim insisti e posso dizer que não tenho memória da última vez que um livro me custou tanto a ler. Ao longo da saga torna-se visível a evolução do autor e da sua escrita que se vai tornando cada vez mais complexa mas neste volume essa evolução não é um ponto positivo uma vez que se traduz numa escrita pouco simples (rebuscada demais para um livro do género, arrisco-me a afirmar) e num vocabulário excessivamente complexo que por vezes me fez considerar a consulta de um dicionário (embora tenha conseguido passar sem ela). Denota-se a escolha propositada de palavras pouco usuais, muitas vezes até desconhecidas da maior parte do público e uma preocupação cada vez maior com a descrição de algumas situações em que tal me parece desnecessário (gastar 16 páginas na descrição de um duelo entre dois personagens não me caiu muito bem...). Por outro lado, e em relação à trama tive a sensação de que o autor andou um pouco a "encher chouriços" uma vez que só mesmo no final vemos alguma acção mais inesperada e alguma evolução, embora ténue, no verdadeiro desenrolar da história. Ou seja, grande parte do livro é preenchido com descrições que de tão longas e pormenorizadas se tornam aborrecidas, por um vocabulário que chega a irritar o leitor (de tão rebuscado) e a história em si fica praticamente parada.
Embora no final me tivesse conseguido captar a atenção, recomendo este livro apenas a quem já conhece a saga e não quer deixar de conhecer todos os passos dos diferentes personagens e o desfecho da história (que espero venha a acontecer no próximo volume).
4/10

8 comentários:

Beatriz disse...

Não conhecia a saga... Obrigada pela divulgação :)

Mariane disse...

Nunca ouvi falar, por isso é bom visitarmos blogues, conhecemos coisas que nem sabiamos que existia...
Abraços...

visite: compartilhandoleituras.blogspot.com

Beatriz disse...

Tens um presente no meu blog ;)

Anónimo disse...

Não concordo com a crítica de que a escrita seja pouco simples neste livro. Acabei mesmo agora de o ler e penso que a escrita está mais refinada, ao contrário da escrita fraca do primeiro volume. Mas concordo que os duelos se tornaram "prolongados" em termos de páginas e que a história avanço lentamente, para acelerar no fim. Pena que o tema da Essência da Lâmina tivesse sido usado apenas num instante... para ir parar às mãos de Seltor (realmente frustrante depois de seis livros a acompanhar o "treino" da mesma).

Forestelf disse...

Ando a ler a saga já há uns 3 meses. Acabei agora mesmo de ler o "Vagas de Fogo" e achei-o muito porreiro, no entanto, não consigo encontrar "O fado da Sombra" e estou mesmo desesperdao. Se vocês dizem que é bastante a andar para trás, não sei se vou gostar tanto de o ler, mas obrigado na mesma pela descrição

Forestelf disse...

ja agora, alguém conhece outros livros deste tipo?

Alice disse...

Forestelf, acho estranho que não encontres. Está disponível no site da editora em www.presenca.pt.
lá também podes ficar a conhecer toda a colecção Via Láctea que, parece-me, te vai agradar.
Bj

Vitor Frazão disse...

É um bom livro, tendo bons combates (não os duelos)e um fim excelente.

Agora, o duelo Tannath vs Quenestil não foi dos melhores trabalhos do autor.

http://cronicasobscuras.blogspot.com/