sábado, 3 de julho de 2010

Sangue do Coração

Título: Sangue-do-Coração
Autor: Juliet Marillier
Tradução: Marta Teixeira Pinto
Edição: Bertrand
Nº de páginas: 399

" Whistling Tor é um lugar de segredos, uma colina arborizada e misteriosa que alberga a fortaleza de um chefe tribal cujo nome se pronuncia na região com repulsa e amargura. Há uma maldição que paira sobre a família de Anluan e o seu povo; os bosques escondem uma força perigosa que prenuncia desgraças a cada sussurro.
No entanto, a fortaleza solitária é um porto seguro para Caitrin, uma jovem escriba inquieta que foge dos seus próprios fantasmas. Apesar do temperamento de Anluan e dos misteriosos segredos guardados nos corredores escuros, este lugar há muito temido providencia o refúgio de que ela tanto precisa. À medida que o tempo passa, Caitrin aprende que há mais por detrás do atormentado jovem e dos estranhos membros do seu lar do que ela pensava. Só através do seu amor e determinação é que a maldição poderá ser desfeita e Anluan e a sua gente libertados..."
Juliet Marillier é uma exímia contadora de estórias, a sua imaginação fluí por caminhos mágicos e de lendas antigas e a sua escrita simples e límpida leva-nos a mergulhar na narrativa de uma forma quase única. Neste novo volume somos levados a Whistling Tor, um local misterioso e onde o sobrenatural impera; aqui nada é o que parece e há muito mais do que à priori imaginamos por detrás de cada personagem. As descrições ricas e os caminhos que trilhamos guiados pela imaginação da autora contribuem muitíssimo para a magia deste livro, para nos fazer realmente sentir no centro da colina envolta pela neblina e pelo mistério.
As personagens, como sempre, são cativantes e revelam evolução e crescimento no desenrolar da estória, sobretudo a personagem de Caitrin que conhecemos como uma rapariga fragilizada que foge do seu passado e ao longo da narrativa vai evoluindo para uma jovem mulher, lutadora e corajosa que defende com todo o coração aquilo em que acredita. Gostei de confirmar que Juliet continua a criar personagens femininos fortes e independentes, mulheres avançadas para a época e mundo que marcam a narrativa, capazes de agirem e pensarem por si.
Gostei bastante da estória, adorei o rumo imprevisto que a narrativa tomou na parte final pois apesar de me perguntar constantemente onde estaria determinada personagem (não posso dizer o nome nem dar mais dados sem spoilers), de me questionar acerca do seu destino, nunca me passou pela cabeça o final descrito. A ideia geral do livro é muito cativante e o desenvolvimento foi bastante bem conseguido, contudo e apesar de Marillier ser Marillier e de os fãs perceberem o que quero dizer com isto, pareceu-me que este foi a sua obra mais fraca. Os ingredientes estão todos lá mas deu-me a sensação de que por vezes a autora se alongava demasiado em pormenores sem importância, que havia um certo "encher chouriços" em determinados pontos da narrativa. Mas... esta é apenas a minha opinião e ainda assim não estragou por ai além o prazer que é sempre ler uma obra desta autora.
7/10

4 comentários:

ludmilla disse...

Ahhhhhhhhh que triteza amuuuuuu Julit Marilier mais aki no rio naum tem nada dela ,,,, cada vez que vejo uma resenha dela eu fico trite e muitooooo irritada ..
bjokkasssssssss

Célia M. disse...

Alice, partilha a tua opinião quanto a este livro ser o mais fraco da Juliet. No entanto, acho que vou ser um pouco mais dura que tu na minha opinião... O par principal não me convenceu, e para quem conhece os livros da Juliet sabe que é uma componente essencial da história. Achei tudo muito previsível e notou-se claramente a restrição de que a autora foi alvo por parte do editor em termos de número de palavras. De facto, existem algumas partes enche-chouriço, mas depois houve outras em que tudo aconteceu rapidamente. Pareceu-me desequilibrado.

O livro não é mau - a Juliet, mesmo no seu pior é bastante boa - mas para quem se emocionou tanto com livros anteriores não deixa de ser uma desilusão.

Alice disse...

É verdade Célia, o par amoroso desta estória esteve longe de me convencer precisamente devido à previsibilidade de todo o suposto romance.
Achei todo o livro bastante previsivel e é como dizes, há alturas em que nada acontece e outras em que é tudo demasiado rápido.
Mas a Juliet é como a Marion Zimmer ou como o Martin, mesmo no seu pior conseguem ser bons...!Ainda assim, desiludiu-me bastante pois a ideia base prometia.

Vitor Frazão disse...

Concordo que o romance é um pouco forçado e a história previsível, mas tendo em conta a ideia base nem podia ser de outra maneira... Não obstante, Marillier mesmo no seu pior momento (que, diga-se de passagem, não foi este, continua a ser melhor que a média).

Pessoalmente, acho que o livro ganha pontos pela parada de personagens sobrenaturais, com vincados traços de personalidade e histórias pessoais.

Dá a impressão que se a autora tivesse optado por fazer um livro mais extenso, com mais tempo para desenvolver os acontecimentos mais devagar, poderia ter resultado melhor...

http://cronicasobscuras.blogspot.com/