quinta-feira, 9 de setembro de 2010

O Mago - Aprendiz

Título: O Mago - Aprendiz
Autor: Raymond E. Feist
Tradução: Cristina Correia
Edição: Saída de Emergência
Nº de páginas: 414

"Na fronteira do Reino das Ilhas, existe uma cidade tranquila chamada Crydee. Nessa cidade, vive um rapaz órfão de nome Pug. Trabalhando nas lides do castelo que o acolheu, ele sonha com o dia em que se tornará um guerreiro valoroso ao serviço do rei. Mas o destino troca-lhe as voltas e o franzino Pug acaba por tornar-se aprendiz do misterioso Mago Kulgan. Nesse dia, o destino de dois mundos altera-se para todo o sempre. Subitamente a paz do reino é esmagada, sem piedade, por misteriosas criaturas que devastam cidade após cidade. Quando o mundo parece desabar a seus pés, Pug percebe que apenas ele poderá mudar o rumo dos acontecimentos, penetrar as barreiras do espaço e do tempo, e dominar os poderes de uma nova e estranha magia... Esta é uma viagem por reinos distantes e ilhas misteriosas, onde irá conhecer povos e culturas exóticas, aprender a amar e descobrir o verdadeiro valor da amizade. Mas, no seu caminho, terá de enfrentar tenebrosos perigos e derrotar os inimigos mais cruéis."
"O Mago" é uma obra escrita em 1982 (dividida em dois volumes pela SdE) e considerada por muitos leitores como a obra prima do género fantástico. À primeira vista o leitor fica algo intrigado com afirmações deste género dado que a estória tem lugar num mundo marcadamente medieval e no qual estão presentes todos os ingredientes indispensáveis a uma boa aventura fantástica, elfos, anões, criaturas das trevas e, como não, uma forte componente mágica. Contudo, "O Mago" não é apenas mais um livro, quase me atrevo a dizer que é o livro de fantasia por excelência. Quando nos debruçamos sobre ele a escrita cativante e detalhada do autor faz com que tudo em redor se esbata e podemos distinguir claramente aspectos que influenciaram muitos dos best sellers do fantástico escritos depois desta obra.
É certo que Feist não inventou uma idioma e um alfabeto para cada uma das raças presentes, para o leitor dos dias de hoje até é algo complicado ver como alguns dos aspectos introduzidos na narrativa foram verdadeiras lufadas de ar fresco (como a invasão, aparentemente injustificada, de Midkemia por seres de outro mundo), mas a verdade é que Midkemia é um mundo único, consistente e extremamente apelativo. O que o torna tão especial? A mestria do autor. Feist escreve incrivelmente bem mas de um modo muito simples, recorrendo ao mistério e ao humor pare deixar o leitor preso e em suspense a cada virar de página; o recurso à descrição é uma constante, no entanto, a riqueza da mesma, as sensações, cores e detalhes transmitidas por ela fazem com que não se torne maçadora, contribuindo para embelezar não apenas a narrativa mas a escrita em si mesma. O cuidado na criação dos personagens é algo que não podemos deixar de notar, são consistentes e evoluem com a trama, cada raça tem os seus maneirismos, aspectos comportamentais e culturais diferentes que são facilmente identificáveis pelo leitor quando em presença dos diversos personagens. Aliás, estas diferenças culturais e geográficas que marcam as várias raças são, a par da intriga política, outro dos aspectos que contribuem para o fascínio e consistência de Midkemia.
Não posso deixar de referir ainda a capacidade do autor para nos fazer de vários pontos de vista o mesmo acontecimento para além de conseguir transmitir na perfeição a simultaneidade de diversos acontecimentos ou acções. Isto é, não há uma tendência do leitor para ver a narrativa como algo linear, Feist tem o cuidado e a mestria de nos levar a ver a estória como um corpo sólido, volumoso, que pode ser abordado de diferentes perspectivas; é realista, na medida em que em "O Mago" como na vida e no mundo que nos rodeia milhares de acontecimentos podem ter lugar ao mesmo tempo.
8/10

Para lerem um excerto desta obra cliquem aqui

4 comentários:

Elphaba J. disse...

Eu também adorei este livro =) Feist consegue conquistar-nos e transportar-nos para o seu mundo como poucos.=)

v_crazy_girl disse...

Tenho mesmo que ler este livro!!

Excelente comentário!

Alice disse...

Obrigada v_crazy_girl.

Alice disse...

Elphaba, por acaso já tinha visto que tinhas gostado... Li à dias a tua opinião. Já estás a ler o Mestre, não é?
Eu já li, conto publicar opinião em breve.