segunda-feira, 8 de novembro de 2010

Deserto de Gelo

Título: Deserto de Gelo
A Guerra das Bruxas II
Autor: Maite Carranza
Tradução: Regina Louro
Edição: Ed. Presença
Nº de páginas: 328
"Neste segundo volume da trilogia A Guerra da Bruxas, a antiga profecia cumpriu-se finalmente e Anaíd, a eleita dos cabelos de fogo, possui agora o ceptro do poder. As bruxas Omar esperam que ela acabe com as sanguinárias Odish, o clã que desde sempre as combateu. Mas Anaíd, tem apenas quinze anos e terá de partir com a mãe, numa fuga desesperada para norte, que será também a sua viagem de iniciação, que lhe revelará todos os mistérios e lendas que rodeiam as suas origens e o seu próprio nascimento. E a verdade não poderia ser mais aterradora... "
Depois de uma luta renhida com as Odish da qual resultou a morte de Salma e a revelação de que a eleita é a jovem Anaíd e não a sua mãe, as duas são obrigadas a empreender uma desesperada fuga. O verdadeiro motivo que as leva a viajar de carro dias a fio para norte, sempre para norte, apenas nos é inteiramente revelado no final do livro e Anaíd, tão desconhecedora como nós, acaba por provocar um precipitar de acontecimentos que, num próximo volume, se revelarão certamente catastróficos.
Desenganem-se os que pensam que a autora faz uma descrição detalhada e aborrecida da viagem destas duas Omar. Na verdade, este é um volume de ligação, um livro usado para fazer a ponte entre os aspectos pendentes para o leitor no que respeita ao passado e presente dos personagens e um terceiro volume em que a acção se adivinha como parte essencial da narrativa e em que esta guerra verá definitivamente o seu fim.
Mal nos apercebemos da viagem da fuga pois, no momento de partida, Selene compromete-se a contar à filha toda a verdade sobre a sua vida e daqueles que a rodeiam. Na verdade é esta a verdadeira viagem que fazemos, uma viagem ao passado de Selene que nos dá a conhecer não apenas a jovem rebelde de cabelos de fogo mas também as suas relações conflituosas com Deméter, o nascimento da sua filha, a sua relação com as Odish mas que sobretudo nos dá muitas respostas a perguntas que haviam ficado pendentes. Finalmente Anaíd e o leitor conhecem a história da personagem principal e descobrem quem é o seu pai, ponto que é fundamental para o entendimento de muitos elementos desta aventura.
Os personagens continuam muito humanos e é muito simples criar empatia com eles mas para mim o que este livro tem de verdadeiramente bom, além da forma engenhosa como a autora nos poupou a desgastantes descrições da viagem e nos encaminha de forma quase mágica para o passado, são as descrições das paisagens. Não são descrições maçudas e intermináveis, não. Com palavras simples e de forma muito sucinta Maite Carranza conseguiu levar-me aos países nórdicos, guiar-me no tempestuoso Mar do Norte pejado de baleias e transportar-me à cosmopolita Barcelona.
No fim ficou a vontade de mais, até porque o livro termina de um modo que desperta no leitor uma curiosidade tão grande que apenas podemos pedir que a edição do terceiro volume seja para breve. Recomendadíssimo (ambos os volumes).
7,5/10

2 comentários:

Elphaba J. disse...

Estou muito curiosa sobre livros desta autora editados pela Presença, Maite Carranza..
=)

Alice disse...

Elphaba, são livros direccionados para um publico jovem mas parece-me que até ias gostar. São mais maduros que estas coisas das Florestas de mãos e dentes e dos hex hall e etc. Sobretudo deste segundo volume, é mais maduro, aprofunda mais a história e as relações emocionais dos personagens. Se isto for em crescendo o terceiro vai ser mesmo mesmo bom.